quarta-feira, 13 de julho de 2016

Adrenalina

Só quero o frenesi da vida, cortando,
Rasgando o tecido fraco, 
Desfiando as fantasias trites.
Só quero o que persiste,
O sorriso de giz 
Preenchendo o quadro negro , 
Festim enquanto dura.
Quero que escorra de minhas veias
Cortadas pelos inalcançáveis desejo,
O sumo doce do acreditar,
Do insistir. quero expellir
A euforia, mostrar ao sol
Que hoje é o dia que não
Preciso de teus raio pra
Brilhar!
Quero o momento, a pele 
Em atrito ao que faz vivo , ao prazer,
Quero viver! sem vacilar.
Quero que perdure a mudança 
Pois sou humano contraditório
E o novo é o reflexo do começar.
Quero o livro encharcado
A tela em pinceladas vivas,
A musica com cascatas de chorar,
Quero tudo,
A verdade , a sabedoria e a ignorância para
Esquecer a dor da sina e seu absurdo , 
Quero a virtude da filosofia, 
Que ama , que quer, 
Mesmo sabendo que não consiga.
Quero o impossível!! 

T.V.V