quinta-feira, 14 de julho de 2016

Roupagem


Quero que me estenda o sorriso,
Para que eu estenda a gargalhada,
E que no cordel fique estendido 
As vestes dos tempos perdidos
Nas alegrias , nos momentos 
De prazer úmidos, que nem pelos ventos
Eram secos.

Quero que no seu quintal,
Pregado no varal,
Esteja o pequeno lençol da lembrança,
Um suvenir, paixão de criança
Que tem a sorte de não crescer ,
E  continuar puro,  perfeito.

Quero os retalhos, as gastas meias,
As belas , remendadas e as feias,
Quero todas as vestes dependuradas,
Para que eu estenda a beleza
De nossas memorias  passadas.