sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

o catador de lixo.


ó penas que ornam as costas, 
pousa-te o mundo ,o mesmo, 
e o peso como é; 
este peso de escolhas, 
feito papelões entulhados 
numa carroça ,onde um condenado 
leva ,puxa ,
 para que reciclem tais,
 lhe dando o que viver...

donde vem a força ,
donde vem ,
a vontade que te move,
para que carregue teu fardo
atlas perdido, 
e o faça motivo 
de querer existir?

olho na pupila da fé, 
pois carne é coisa perecível , 
olho em teu amâgo, mendigo, 
a miséria espremida pelo possível. 

T.T.V