segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

em chuva


a chuva , eu sinto a chuva, 
e teu frescor aguado , cinzento.

o céu desabando nos olhos, 
nebulosos e tácitos, 
e eu ,antes aceso ,
apagado ...
como as guimbas no chão , 
como o cigarro molhado 
que se encontra entre os dedos.
como teus lábios 
de instantes ,segredos,
como brumas do tabaco 
degredos.

como tudo que se vai , 
que se perde...

enquanto molha a face, 
as gostas na pele,  ferem
a secura da alma, 
e fatidica espalma 
a dor , o tempo
você e vocês.
e o sentido 
 amar e morre, 
torna o Ser poesia, 
"faz-se por si mesmo"
no poeta 

T////Veiga